JOAO BOSCO E VINICIUS
Cidade: CAMPO GRANDE

Houve uma época em que estima-se que oito em cada dez CDs vendidos nos camelôs de Campo Grande eram assinados Por João Bosco e Vinicius. Houve uma época (se bem que ainda há essa época) em que a chance de você ligar o rádio e topar com uma canção da dupla é/era imensa. A vida dos dois trafega por esses altos e altos desde que tinham 12 anos de idade, há duas décadas.

Eles se conheceram em Coxim, no Mato Grosso do Sul, onde moravam. Foram rivais num Festival da Canção da cidade. Quis o destino que se unissem em segundo lugar no resultado final. A união só aconteceu mesmo quando mudaram para a capital do Estado, Campo Grande, onde um (João) foi cursar Odontologia e o outro (Vinicius, claro) foi fazer Fisioterapia.

Mais que nas salas de aula, o destino de ambos estava nos barzinhos da cidade, onde começaram a se apresentar em 1999 na leva inicial daquilo que ficou conhecido como Sertanejo Universitário.

“Acústico no Bar”, primeiro lançamento dos dois, saiu em 2002. Resultado não poderia ser outro. Vendeu como Coca-Cola no deserto na cidade.

No ano seguinte, lançaram “João Bosco e Vinicius”, trabalho homônimo que os levou a consolidar o nome entre os principais dessa turma inicial de Sertanejo Universitário. Com “Ao Vivo”, de 2005, em CD e DVD, e o sucesso de “Quero Provar que te Amo”, a carreira se solidificou em pedra.

Desde o começo uma característica marcou a rotina dos dois – não houve ano em que o público não pediu e recebeu lançamento da dupla.

Com a prova do talento da dupla, no trabalho seguinte, “Acústico pelo Brasil”, de 2007, gravaram em cinco diferentes Estados – Mato Grosso (Cuiabá), Minas Gerais (Uberlândia), Paraná (Curitiba), Mato Grosso do Sul (Campo Grande) e Goiás (Goiânia). Deste, explodiram “Vou Doar Meu Coração”, “Vem me Amar”, “Tá Sofrendo por Amor” e “Ô Fora”.

Já em 2009, do CD “Curtição”, tiveram na música “Chora, Me Liga” o maior sucesso da carreira, foi a música mais tocada no Brasil naquele ano. O alcance se estendeu para outros países da América Latina, explodiu na Colômbia e Argentina. Sem contar o sucesso de “Sufoco”, “Curtição”, “Meu Mundo Gira” e “Coração Só Vê Você”.

No final de 2009, com lançamento em 2010, homenagearam a cidade que escolheram como base, moradia e que tão bem os acolheu, Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, e lançaram o CD e DVD “Coração Apaixonou” ao vivo. Leonardo foi o convidado na canção “Deixaria Tudo”, enquanto as rádios revezavam entre outras músicas de trabalho na ocupação do dial, “Sem Esse Coração”, “Tema Diferente” e “2 Anos”. Além do grande sucesso “Falando Sério”, original do “Acústico Pelo Brasil” e regravada aqui por ter se tornado grande hit da dupla.

O ano seguinte foi de dominação mundial. Tocaram nos Estados Unidos, Espanha, Inglaterra, Portugal, e conquistaram Grammy Latino com o álbum “João Bosco e Vinicius – 2011”, com os hits, “Chuva”, “Tarde Demais” e “Abelha” (com participação de Jorge & Mateus).

Já emendaram 2012 com um trabalho registrado em uma casa no interior de São Paulo, “A Festa”, onde traduziram para o público o intimismo do modus operandi da dupla e registraram os hits “Colo, Colo”, “Final de Semana” e a música mais romântica (para não dizer linda) da carreira, “Química”. O ano foi selado com participação como convidados no projeto de 40 anos de carreira de do Chitãozinho e Xororó.

À beira da segunda década de carreira, resolveram se propiciar um espaço de tempo maior para lançar “Indescritível”, o trabalho mais artesanal da dupla até hoje – pinçaram 14 de 800 músicas e tocaram o projeto da primeira à última linha, dos arranjos aos timbres. Com ele dá pra terminar a biografia da dupla até aqui com a previsão de que “haverá um tempo em que você irá ligar o rádio e João Bosco e Vinicius estarão tocando certamente...”.